Visit Madeira

Taberna da Poncha


A 'Taberna da Poncha' deverá ser o local de venda de Poncha da Madeira mais conhecido, tanto de residentes na ilha como dos visitantes.
Estamos perante uma taberna típica madeirense, com mais de sete dezenas de anos, cuja especialidade é precisamente a poncha.


Em termos históricos, evoluiu de uma mercearia, a qual, para além da venda de bens essenciais, como o pão, leite e arroz, contava como em todas elas, com o bar, ou taberna, onde eram servidas bebidas, incluindo a poncha, inicialmente a Poncha à pescador. Depois veio a Poncha Regional com limão.




Era então, a mercearia do ‘Zé do Vale’, de José Gomes do Vale.
Os clientes eram predominantemente os que viviam por perto ou do norte da ilha, que tinham, então de subir e descer a Encumeada. Parar na mercearia era uma rotina.
A tradição passou para a filha, Ana Maria, que com o apoio do marido e dos filhos começa um novo ciclo naquele espaço, que deixa de ser mercearia, tonando-se um local especializado na Poncha da Madeira.
Surgia a ‘Taberna da Poncha’, com décadas de história e tradição.

Às ponchas iniciais surge a de laranja, curiosamente, por sugestão de um cliente quando escasseava o limão.
Posteriormente, igualmente a pedido dos clientes, entra na oferta da ‘Taberna da Poncha’ a Poncha de Maracujá e a Poncha de Tangerina. Estas últimas, normalmente, são mais fracas, feitas com aguardente de 40 graus.
A Poncha Regional e a Poncha à Pescador são feitas com aguardente com 50 graus.

Ou seja, entre as diversas variedades de Poncha da Madeira temos as seguintes:

  • Poncha à Pescador
  • Poncha Regional
  • Poncha de Maracujá
  • Poncha de Tangerina


Na Taberna da Poncha respira-se as vivências da mercearia, com os móveis antigos e artigos a fazer lembrar a sua história.



Outra componente que o carateriza e atesta a frequência de muitas e muitas pessoas, são os adereços de clubes, os inúmeros cartões de visita. Curiosamente, esta vertente começou com a existência de calendários nos quais escreviam. Com o tempo passaram a colar os cartões que hoje estão espalhados por todo o lado.


Enviar um comentário

0 Comentários